Jamaraquá

You are currently browsing the archive for the Jamaraquá category.

O Instituto de Estudo Integrados Cidadão da Amazônia (INEA), está executando em parceria com a Prefeitura Municipal de Belterra, a reforma do Núcleo Comunitário de Jamaraquá. Após a conclusão das obras, a mesmo dará subsídios necessários para os comunitários fazerem o processo de beneficiamento do látex da seringueira.
A reforma do barracão TECBOR, como é conhecido está prevista no plano de ação estabelecidos pelo INEA, referente a iniciativa do apoio ao extrativismo da látex e a produção artesanal do látex da seringueira em Jamaraquá.
Essa iniciativa faz parte do componente 2 do Projeto BR 163: Floresta,desenvolvimento e a participação, que tem como objetivo incentivar às práticas produtivas da sócio biodiversidade.

 

Por  Carpegiane

Foi realizado nos dias 29 de Novembro a 2 Dezembro um Seminário de Ecoturismo de Base Comunitária em
São Luís no Maranhão. Dona Conceição Fonseca, uma moradora da comunidade de Jamaraquá, foi representando o ecoturismo da FLONA (Floresta nacional) do Tapajós. Onde também fizeram-se presente pessoas de outras reservas extrativistas que trabalham com Ecoturismo.
Um intercâmbio de pessoas e experiência, de todos os lugares em prol de melhorias para o ecoturismo comunitário. O conhecimento dos ambientes e dos comunitários ribeirinhos proporcionarem uma experiência única de paisagens nas matas, rios, praias, sabores com histórias e causos.

Por: Carpeggeane Pantoja


A Associação de Moradores e Produtores Rurais e Extrativistas de Jamaraquá “ASMORJA”, teve nessa manhã de sexta-feira 16 de Setembro a troca de diretoria. Após 4 anos de mandato, D. Conceição Pantoja sendo a primeira mulher Presidente da Associação, repassou seu cargo para a Senhora Iranice Fonseca e sua diretoria.

Em 1999 a comunidade de Jamaraquá com um número maior de moradores decidiu fundar a associação, que inicialmente teve 37 sócios.  A partir  da da legalização Jurídica da ASMORJA, a diretoria passou a buscar novas ideias de trabalho para melhorar a qualidade de vida dos comunitários. Após 12 anos, a associação tem patrimônios e mantêm projetos, que beneficiam os moradores.